Essa prisão...

Estou no caminho de volta...

Hoje, assim como nas outras dezenas e centenas de dias inseridos no calendário, a minha maior vontade é fugir.

Posso sentir os meses e anos se passarem e, o jeito como me sinto uma prisioneira continuarem. É como se, anos atrás de grades de ferro tivessem me tornado em alguém que consegue ser egoísta com o seu próprio sentir, com o seu próprio pensamento, com o seu próprio pesar.
Parece que as grades e as paredes indestrutíveis, juntamente com essa cama que, noite após noite, vai se tornando mais dura e desconfortável machucando minhas fracas costelas, se tornaram algo comum, algo indiferente no qual eu já tenha me acostumado, mas não aceitado.

Me acostumei... com a idéia de sonhos inatingíveis e que se tornam invisíveis quando estou desse outro lado, cercado por esses altos muros inescapáveis.

Sei que estou parado no mesmo lugar há tempos, enquanto isso, os anos voam, as rugas preenchem meu rosto e eu fico a imaginar como seria se a felicidade estivesse do meu lado, no meu mundo.

E é em toda noite fria e escura que posso sentir meu corpo fraco e minhas lágrimas congelados sob minhas pálpebras, enquanto minha mente gira, viaja. Minha mente.... como se estivesse em uma viagem de onibus, observando paisagens conhecidas, consciente de que está voltando ao mesmo lugar sórtidos que se encontrava antes, seguindo pelo caminho que me levou até esse meu fim.


-------

Muito tempo sem postar aqui, né? Pois bem, resolvi postar hoje esse texto que eu escrevi no mês passado e estava perdido entre meus cadernos.

E hoje, escrevendo aqui, ao som de "Don't Cry", do Guns N' Roses

:*

Um comentário:

Lukey disse...

É verdade...

Em certos casos, nós passamos por grande parte das nossas vidas como se estivéssemos nos movendo, ou avançando em direção ao desconhecido, quando na verdade nossos pés sequer saíram do lugar.

Se bem que o verdadeiro caminho dessa trilha chamada "vida", geralmente está bem diante de nossos olhos e não percebemos. Talvez porque não abrimos os mesmos... talvez o tempo fez com que eles se fechassem...

=O

Pelo menos, quando os olhos se abrem, só assim paramos pra pensar se damos passos curtos ou largos, se realmente vivemos um dia após o outro.