Palavras

Sentimentos e palavras, de carinho ou de ódio, de falsidade, de emoção ou de razão, que surgem de um poço escuro, surgem de um lugar no qual elas nunca deveriam despertar. Palavras que ferem, palavras que iludem, palavras... apenas palavras. Palavras que podem te transformar em vilão, em herói, em amigo, em falso, em companheiro.

Palavras.... E às vezes, damos vida e gás a palavras erradas... Tem vezes que damos muita ênfase a pessoas e fatos que pra nós, foi comum...

Vezes que pecamos em falar. Que machucamos em dizer. Que não conseguimos reproduzir o que sentimos, e daí embolamos a nós e aos outros... Palavras que não sabemos usar, que não devemos, que não podemos. Palavras que não usamos no momento certo de serem ditas. Palavras...

Palavras vazias como essas, palavras que para você não tem nenhum sentido. Mas são essas palavras que tentam suprir minha necessidade de falar, de tentar explicar como as palavras erradas fazem com que eu tropece.

É, acho que não tenho uma relação boa com elas, elas se embaraçam, se embolam, somem no momento que eu tenho que reproduzi-las. E já outras, que transbordam, que saem como um tufão, que saem sem que eu perceba. No momento da agonia, nervosismo, no momento em que apenas não sabemos o que dizer e como dizer.

Palavras que me jogam pra baixo.

Mas são apenas... palavras....

4 comentários:

thiago disse...

nossa!!! *0* tô até sem "palavras" agora!!! tá de mais esse texto vc é ótima eu queria saber escrever assim "/...

Stella disse...

Concordo com o Thiago! Estou até sem palavras! Realmente ficou excelente.
Palavras, benditas ou malditas, que às vezes são fortes o suficiente para sair sem que percebamos, enquanto que em outros momentos perdem a força e a vontade. São somente palavras.. mas que ajudam, compartilham, machucam, ferem.
:)

Richard disse...

Laurah,vc reclama tanto de não saber usar as palavras,mas não é o que vi nas poesias.Minha crítica seria de vc usar menos antíteses.Porque passa uma impressão de falta de criatividade.Porque quando se pensa numa palavra automaticamente vem a oposta a ela(ou a ideia oposta a ela) , o que leva a pensar q o escritor(a) estava escasso em ideias no momento que escrevia.Seguiu o caminho mais fácil.
Vi também que você não costuma usar rimas.Não que eu ache essencial o seu uso,mas com rimas a poesia ganha um ritmo que torna natural e espontânea a sua leitura.E afinal,o papel do poeta ou do escritor é saber dizer o que todo mundo quer falar,mas não sabe exatamente como.

Anônimo disse...

Em alguns momentos o texto me descreve ^^
;*
Bang o/